Agenciamento marítimo comercial e operacional: entenda as diferenças

agenciamento marítimo comercial operacional
6 minutos para ler

Você sabe quais são as diferenças entre agenciamento marítimo comercial e operacional? Muitos profissionais que atuam no setor têm dúvidas em torno dessa questão, afinal, cada uma das modalidades tem detalhes específicos, que demandam atenção para serem compreendidos.

No contexto do comércio exterior, ambas são bastante importantes e, por isso, preparamos este texto especial a respeito do tema. Acompanhe a leitura até o fim para entender melhor as características e particularidades dos tipos de agenciamento.

Aproveite o conteúdo!

O agenciamento marítimo comercial

Para tratar desse assunto com a perícia que ele exige, entrevistamos a especialista Lívia Silveira Moraes e Silva, que trabalha como especialista comercial na Wilson Sons.

De acordo com a profissional, “o agenciamento marítimo comercial poder ser entendido como a busca por novos clientes e apontamentos, além de reunir noções sobre as diferentes economias locais para identificar oportunidades”. Ou seja, ele consiste em analisar as necessidades apresentadas e propor soluções que ofereçam mais possibilidades de negócio.

De certa forma, ele tem uma relação bem próxima da inteligência portuária e da inteligência de mercado, utilizando-se de ambas para avaliar as cargas movimentadas e a relação que estabelecem com o transporte utilizado para esse fim. Ou seja, o agenciamento comercial, no contexto marítimo, tem a ver com o levantamento de diversos fatores para tomar decisões estratégicas e devidamente fundamentadas.

“Os agentes que trabalham com essa modalidade têm como maior desafio encontrar boas conjunturas, principalmente se considerarmos o cenário atual, que é um pouco retraído sob o ponto de vista econômico”, explica Lívia.

“Para ultrapassar tais obstáculos, eles podem, em primeiro lugar, construir um networking sólido para cultivar contatos profissionais e acompanhar o mercado”, indica. Também é fundamental dialogar regularmente com as pessoas de diversas áreas e empresas — a prática ajudar a criar um banco de informações, o que permite se aprofundar em temas específicos.

Outro ponto imprescindível para Lívia é manter-se informado sempre, porque as notícias podem acelerar o processo de encontrar negócios — muitas novidades envolvem setores distintos da economia e esses setores têm um peso importante para o país. “É por isso que é importante estar atento às informações recentes e conectá-las à atuação cotidiana”, conclui.

O agenciamento marítimo operacional

O agente operacional, por sua vez, exerce suas atividades em um momento posterior ao do trabalho feito pelo comercial, isto é, é ele quem atende à clientela angariada pelo outro âmbito do agenciamento.

Pessoas que lidam com a parte de operações oferecem um atendimento completo no sentido da consultoria sobre legislações vigentes em determinados locais e alternativas para minimizar custos variados. São elas que ajudam a otimizar uma operação qualquer em termos financeiros, dando suporte na produtividade e em práticas que podem ser adotadas para viabilizar uma atividade.

“O maior desafio da área é ser capaz de disponibilizar um atendimento verdadeiramente diferenciado, pois a concorrência é enorme — boa parte das organizações já faz o básico, e isso não é suficiente”, aponta Lívia. Sendo assim, é de suma importância que haja um “algo a mais” para fidelizar os clientes.

Como desenvolver diferenciais competitivos tende a gerar resultados, o agente operacional pode criar uma parceria com o departamento comercial a fim identificar e criar oportunidades para os clientes — as atualizações recorrentes são indispensáveis para atingir esse propósito.

Em virtude das questões com as quais o pessoal de operações tem de lidar, o contato frequente com um serviço de inteligência portuária também é extremamente bem-vindo, assim como acontece com a área comercial. Quando a condição e a movimentação dos portos são avaliadas, por exemplo, há como extrair bons insights para o mercado de cargas e as flutuações às quais ele está submetido.

O trabalho com a documentação é essencial, bem como o estudo das características dos portos e da logística portuária como um todo. Além disso, agências marítimas com serviços de inteligência se aproximam de seus clientes e agregam valor ao atendimento.

As diferenças entre agenciamento marítimo comercial e operacional

“Como em qualquer segmento”, pondera Lívia, “o setor comercial tem como meta a prospecção de clientes, ao passo que o operacional deve executar o serviço da melhor forma possível, visando o menor custo”.

No caso do agenciamento marítimo, a lógica se mantém, porque essas são duas etapas distintas de uma só atividade, que é complexa e requer bom desempenho de ambas para atingir os objetivos desejados. “Não consigo identificar uma separação como sendo dois processos diferentes — apesar de serem setores distintos, eles precisam trabalhar em conjunto para atender ao cliente com excelência”, ressalta a especialista.

Sendo assim, os departamentos devem unir esforços e estabelecer contato permanente para que o serviço prestado atinja um nível de destaque, acima da média oferecida pelo mercado.

Segundo Lívia, “de pouco adianta o comercial oferecer uma solução que não é operacionalmente viável; do mesmo jeito que o operacional não pode deixar de lado as necessidades identificadas pelo comercial”. Portanto, a parceria é o segredo entre eles para que o cliente fique satisfeito.

O passado e o futuro do agenciamento marítimo

O agenciamento marítimo é bem antigo. A atividade surgiu quando começaram as relações comerciais entre diferentes nações, porque os donos dos navios não tinham escritórios em todos os lugares onde vão atracar.

Quando um navio trazia uma carga da Europa para o Brasil, havia a necessidade de os armadores (os donos dos navios) terem representantes nos portos para fazer uma descarga, por exemplo. Cabia a esses profissionais providenciar os trâmites e a documentação para poder entrar, atracar e sair no menor tempo possível.

Segundo Lívia, “a perspectiva para o futuro é de desenvolvimento: existem campos a serem melhorados, é claro, mas com a evolução da economia, a tendência é que os agentes fechem mais negócios”.

“É um momento de oportunidade para quem consegue expor os diferenciais e usá-los para fidelizar clientes. Como os setores se ajudam, uma vez que o agenciamento tem um bom funcionamento comercial, é provável que as operações também caminhem bem”, finaliza.

Ao longo do texto, notamos que agenciamento marítimo comercial e operacional andam lado a lado. Portanto, vale a pena investir em uma empresa capaz de unir o que há de melhor nos dois setores.

Se você gostou do conteúdo e precisa de suporte especializado para suas operações, entre em contato com a Wilson Sons!

Você também pode gostar

Deixe um comentário