Fatores que influenciam na variação do frete marítimo internacional

Fatores que influenciam na variação do frete marítimo internacional
5 minutos para ler

O frete marítimo internacional (ocean freight) deve passar, em 2020, por um processo de reformulação, no qual se espera um incremento nas taxas e no custo geral. Isso, porque entrou em vigor a lei que limita o teor de enxofre (IMO 2020) nos combustíveis dos navios. Dessa forma, até que o mercado se adapte à nova realidade, é certo haver um aumento considerável.

De qualquer forma, o preço do combustível não é o único fator a ser ponderado. Existe uma série de elementos que, combinados ou isoladamente, contribuem para aumentar ou reduzir o valor cobrado por fretadores em geral.

Gilberto Santos, vice-presidente de marketing e comercial na América Latina da Ocean Network Express, é o nosso convidado para esmiuçar esse tema da maior relevância. Conheça, nos próximos tópicos, um pouco mais do ponto de vista desse especialista.

Que fatores levam o frete marítimo internacional (ocean freight) a aumentar?

De uma maneira geral, tudo que dificulte a travessia pela via marítima influi no preço do frete (freight). O clima, por exemplo, é um dos fatores que podem induzir um aumento, já que, segundo Gilberto, nesse caso, o que encarece o frete (freight) indiretamente é o aumento do consumo de combustível e de tempo de trânsito.

Situações emergenciais como o aparecimento do Covid-19 (que já está gerando diversas mudanças nas escalas) têm o poder de criar um gigantesco impacto no balanço das operações bem como impactar nos valores do frete (freight).

Logo, a partir desses exemplos, podem ser elencados outros motivos tão relevantes quanto para que o valor do frete (freight) seja aumentado ou não. Destacamos cinco deles.

Oferta e demanda por espaço

“A oferta e demanda podem ser compreendidas em duas direções: por carga e por espaço”, diz Gilberto Santos sobre a relação que mais influencia o valor do frete (freight).

Nesse caso, a relação tem uma lógica simples de ser compreendida. Se o navio conta com muito espaço e pouca demanda por transporte, o preço do frete (freight) tende a diminuir. Do contrário, quando muitos afretadores (charterer) disputam o mesmo espaço, então o sentido passa ser o contrário, ou seja, o frete (freight) fica mais caro.

O vice-presidente da Ocean Network Express na América Latina complementa: “O navio é um só, mas é comercializado por empresas diferentes, que têm políticas de preço e estratégias diferentes. Logo, quando há mais carga que espaço, a tendência é de aumento nos preços”.

Conflitos armados

Conflitos recentes no Oriente Médio — área responsável por boa parte do petróleo consumido mundialmente — somam-se aos já existentes e pressionam o custo do bunker que, por sua vez, tem impacto direto no frete (freight).

Afinal, de acordo com Gilberto Santos, existe uma taxa extra cobrada por fretadores caso seja necessário transitar por regiões em guerra. Dessa forma, se, na rota da embarcação, houver algum trecho deflagrado, certamente haverá impacto no custo do transporte.

Guerras comerciais

Outro tipo de guerra que influencia o valor cobrado pelo frete marítimo internacional (ocean freight) e por agênciamento marítimo é a comercial. Nesse sentido, as divergências entre Estados Unidos e China, hoje, são o principal obstáculo para a redução das taxas.

Para ilustrar, Gilberto cita um caso real: “A guerra comercial fez com que aumentasse a demanda de carne na China. Com isso, o Brasil, que é um grande fornecedor, passou a vender mais carne para eles. Neste cenário, a China desequilibrou o nosso mercado interno fazendo com que o preço da carne aqui fosse aumentado. Se a demanda dos chineses voltar ao que era antes, então o preço dessa commodity deverá acompanhar, retornando aos patamares anteriores”.

Essa lógica se aplica ao preço do frete (freight). Ou seja: quando dois países muito importantes encarecem o valor dos produtos que vendem um para o outro, todo o mercado sente os efeitos.

Sazonalidades

Outro fator de grande relevância, segundo Gilberto, é a soma das sazonalidades em nível mundial. Sobre isso, ele é taxativo: “Há muito mais demanda no segundo semestre do ano do que no primeiro”, porque “a taxa de ocupação do navio grande na temporada baixa é menor, mas, mesmo assim, ele tem que navegar”.

Considerando essas sazonalidades, há reflexos diretos na formação do preço. Como destacou Gilberto Santos, a capacidade de carga dos navios não muda, nem o tempo de viagem. Por isso, em tempos de “vacas magras”, cada dia de operação custará mais caro do que nas altas temporadas.

Quais as expectativas para o comércio internacional em 2020?

Gilberto finaliza expondo sua própria expectativa a respeito do comércio internacional em 2020: “Espero que o mercado se torne mais consumidor e faça a economia girar mais”.

Ele destaca, ainda, a importância da estabilidade no contexto econômico como fator que influencia na formação dos preços: “A estabilidade aumenta o poder de compra e de consumo. Ela faz com que as pessoas se planejem melhor e comprem mais, estimulando os investidores a aplicar seus recursos”.

Dessa forma, ainda que o preço do frete marítimo internacional (ocean freight) venha a aumentar neste início de 2020, com o tempo, a expectativa é de estabilização e até de redução. Sempre, claro, levando em conta as nuances e os fatores elencados aqui.

Amplie seus conhecimentos sobre o assunto aprendendo as melhores técnicas de negociação no frete marítimo (ocean freight)!

Você também pode gostar

Deixe um comentário