Como serão as importações em 2021? Veja um panorama completo

importações em 2021
8 minutos para ler

O ano de 2020 foi desafiador para todos os setores da economia. Pandemia de Covid-19, alta do dólar e incertezas internacionais acabaram dificultando a vida de quem investe no comércio de qualquer produto ou commodity.

Porém, o agronegócio conseguiu se manter sólido mesmo diante das adversidades. E ações como o corte na regra de impostos prometem um fôlego ainda maior para as importações em 2021.

O que este novo ano aponta para a compra de produtos no mercado internacional? Convidamos duas profissionais, Úrsula Schmitz e Silvia Rosa, executivas comerciais da Wilson Sons Shipping Service, para projetar esse futuro.

Entenda o cenário geral para as importações em 2021

Historicamente, os maiores volumes de importação no Brasil têm a ver com o suporte à indústria e ao agronegócio. O óleo combustível é, com certeza, o produto mais importado no país, mas logo atrás vem a compra de adubos e fertilizantes químicos.

A indústria de O&G (óleo e gás) sentiu um impacto inicial na queda de demanda dos primeiros meses da pandemia. Em compensação, o volume de importação em outros setores continuou estável no ano, mesmo com uma diminuição esperada no comércio internacional devido às restrições sanitárias em quase todo o mundo.

Portanto, a expectativa a partir de agora é positiva. A recuperação deve acontecer em velocidades diferentes de acordo com cada setor, mas 2021 promete ser um ano de retomada e crescimento.

Conheça o maior destaque projetado para o ano

Para entender melhor o que este ano reserva para as importações no Brasil, podemos analisar a categoria que se destacou pela linearidade de comércio durante a pandemia e seu crescimento projetado para o futuro a curto prazo. Estamos falando dos fertilizantes para a agricultura.

“Observa-se um crescimento ano a ano do volume de importações de fertilizantes e matérias-primas”, comenta Úrsula. Para ela, o cenário de 2021 sugere que não deverá ser diferente, com crescimento no volume importado.

“De acordo com informações divulgadas por pesquisas e entidades ligadas ao setor, existe uma expectativa de crescimento em torno de 2% sobre o volume de fertilizantes e matérias-primas em relação a 2020”, aponta a especialista.

As razões por trás do otimismo

Essa projeção positiva tem muito a ver com o comportamento do mercado de fertilizantes mesmo durante a pandemia de Covid-19, no qual o volume de importações se manteve linear — acima, inclusive, da queda esperada em todos os setores.

Claro, houve momentos de incerteza e queda na importação durante esse período, principalmente pela alta do dólar. Mas isso não impediu a evolução apontada pela especialista.

“O produtor de grãos se capitalizou e foi às compras. Inclusive, se observa que houve uma antecipação de compras para 2021, por motivos diversos, em especial por incertezas de desabastecimento por questões logísticas devido à pandemia do novo coronavírus”, relata Úrsula.

O esperado é que o balanço de 2020 feche em 38 milhões de toneladas de fertilizantes, contra 36,2 milhões em 2019. Um aumento considerável se levarmos em conta o cenário desafiador que enfrentamos no ano.

O setor responsável por esse crescimento

Essa estabilidade das importações de fertilizantes têm tudo a ver com a força do agronegócio no Brasil. O resultado final esperado pela ANEC é de 82,3 milhões de toneladas de soja exportadas em 2020 — um crescimento de 13,4% em relação a 2019.

Nesse caso, a alta do dólar inicialmente aumenta o retorno para as empresas, sendo um motivador para investimentos em produção. A previsão para 2021 é de quebra de recordes nesse sentido.

“O agronegócio foi um dos segmentos que menos sofreu com impactos, mesmo com um ano tão atípico como foi em 2020”, comenta Silvia Rosa.

Ela indica que houve alguma incerteza tanto para os importadores quanto para os exportadores. Por essa razão, o mercado reduziu a velocidade no início da pandemia, mas logo retomou o fôlego e seguiu em frente “inclusive batendo alguns recordes na exportação, alcançando a marca de USD 100,8 bilhões, a segunda maior marca da história segundo o SECEX (Secretaria do Comércio Exterior)”, completa.

A importação, de um modo geral, ou seja, com uma visão mais macro do mercado não se restringindo apenas do fertilizante, sofreu uma leve queda, pouco significativa. “Se formos analisar apenas e somente a importação de fertilizantes, notamos uma crescente ano após ano, sem sofrer muitos danos e sempre se destacando das demais commodities. Os dados oficiais desse resultado anual para os fertilizantes serão divulgados até o final do mês de janeiro e, assim, poderemos divulgá-los citando suas respectivas fontes”, relata Silvia.

Especialistas avaliam que o resultado do comércio brasileiro foi muito guiado pelo ritmo de recuperação das economias asiáticas, que vêm mostrando uma tomada mais rápida. A China registrou 4,9% no PIB no terceiro trimestre de 2020, evidenciando essa recuperação. 

E o aumento de produção agrícola significa diretamente o aumento da demanda por fertilizantes, o que explica seu crescimento mesmo em um período tão difícil.

O que se espera de 2021

Úrsula vislumbra que o mesmo crescimento que acompanhamos nos últimos anos seja evidenciado em 2021. Junto a Silvia, elas preveem um cenário de recuperação econômica, com o aumento das exportações de produtos agrícolas e a ampliação do uso de tecnologia e otimização logística no setor.

Saiba como contar com ajuda especializada neste momento

Não é segredo que o esforço de planejamento e inclusão de tecnologias na rotina do agenciamento marítimo (shipping agency) é um dos maiores responsáveis por esse crescimento constante de importações e exportações no setor.

Com processos mais inteligentes, custos são cortados, margens de lucro aumentadas e prazos diminuídos. Contando com ajuda especializada, o afretador (charterer) moderno tem muito mais visão e controle sobre toda essa cadeia.

Esse, por exemplo, é o cerne da transformação que a Wilson Sons Shipping Services passou nos últimos anos. A maior e mais estruturada agência do Brasil investiu em tecnologia, integração e inteligência portuária para oferecer ainda mais a seus clientes.

A prova disso está nas certificações da empresa. A Wilson Sons possui a Certificação Trace, que garante a conformidade com os mais altos níveis de transparência, resultado de uma forte governança corporativa. São mais de 7 anos sem acidentes por afastamento, auditados pela Dupont, referência mundial.

“A companhia possui um forte compliance e age em conformidade com as leis anticorrupção”, confirma Úrsula. A especialista aponta quais são os diferenciais especificamente para o mercado de fertilizantes que ajuda o importador nesse processo:

  • Central de Serviços Compartilhados, CSC, que facilita o processamento e emissão de BLs e liberação no porto de descarga indicado pelo afretador;
  • line ups diários consolidando os portos de descarga de fertilizantes;
  • Fertilizer Port Handbooks, mapeando todos os portos que descarregam fertilizantes com respectivas restrições e particularidades;
  • análise semanal do cenário de descarga de fertilizantes (reports exclusivos);
  • estatísticas e relatórios de mercado (reports exclusivos);
  • Laytime calculation (Burmester & Vogel System);
  • mapa de rateio, ferramenta exclusiva desenvolvida pela Wilson Sons Shipping Services;
  • envio pontual por Whatsapp do report dos navios de fertilizantes em atendimento;
  • suporte operacional 24/7 e assistência do ponto focal comercial;
  • portal do cliente, ferramenta que integra todas as informações necessárias para o acompanhamento da mercadoria em todas suas etapas de transporte.

Adicionalmente ainda vale destacar que a Wilson Sons Shipping Service é a maior e mais estruturada agência do Brasil. Com 184 anos de atividades ininterruptas, atua em mais de 61 portos em todo o litoral brasileiro através de suas 18 filiais próprias.

Úrsula conclui que “em 2020, mesmo em meio a pandemia do novo coronavírus, a agricultura brasileira não parou, pelo contrário, observou-se um crescimento em toda a cadeia produtiva”.

Esse resultado é muito em função do refinamento do setor no desenvolvimento de processos, ferramentas e sistemas para facilitar o comércio e o transporte marítimo internacional.

Com o suporte de empresas especializadas, como a Wilson Sons, e o investimento apostando no futuro do nosso mercado, as importações em 2021 prometem ser ainda mais impressionantes.

Que tal levar essa discussão em frente? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais e debata com outros profissionais da área!

Você também pode gostar

Deixe um comentário