Saiba como um aplicativo de inteligência artificial para rebocadores ajudou a otimizar as operações da Wilson Sons

inteligência artificial para rebocadores
6 minutos para ler

As aplicações da inteligência artificial (IA) para rebocadores — tugboats — podem ser notadas em diversos recursos e ferramentas. Por isso, um aplicativo desenvolvido exatamente nesse contexto tende a ser bastante útil para as empresas que atuam no mercado de logística.

Para tratar desse tema tão relevante, conversamos com Marcelo Knaak, que é Gerente Comercial de Rebocadores, e com Elísio Dourado, Gerente Regional — ambos trabalham na unidade de negócio Rebocadores da Wilson Sons, líder em serviços de rebocagem portuária e oceânica no Brasil, operando nos maiores terminais do país. Aproveite as informações!

Como a inteligência artificial pode ajudar no cotidiano de rebocadores?

De acordo com Marcelo, a IA é amparada por algoritmos que reúnem dados inerentes às manobras que fazem parte do cotidiano de quem lida com o transporte marítimo, como a localização dos terminais, a programação das praticagens e as características dos rebocadores. “O objetivo por trás do acompanhamento consiste em tomar as melhores decisões em relação à alocação dos recursos disponíveis — a IA explora atividades repetitivas norteadas pelos inputs de nossos operadores e sistemas de monitoramento de tráfego”, explica.

Não à toa, a unidade de negócio estima uma redução nos custos da operação com o uso dessa tecnologia a partir da redução no consumo do combustível e da otimização do uso de rebocadores — tugboats. Para se ter ideia, a empresa faz algo em torno de 60 mil manobras por ano — a IA auxilia a definir com agilidade e a deslocar o rebocador mais adequado no momento ideal.

De modo geral, a utilização da inteligência artificial no setor é bastante ampla e ela também se dá de maneira associada, com a presença de outras tecnologias. “O blockchain serve para agilizar a questão da informação, ao passo que o big data pode contribuir para a eficiência ligada ao uso de combustível, por exemplo. A IA proporciona grandes otimizações em termos de frotas e carregamentos”, aponta Elísio.

Para Marcelo, a principal oportunidade gerada pela IA, nesse contexto, é a possibilidade de investir em inovação e introduzir soluções em atividades do negócio que impactam os objetivos estratégicos do negócio Rebocadores da Wilson Sons. “O diferencial pode ser observado no uso da reserva de dados históricos e no comportamento dos portos para apoiar os operadores que tomam decisões a fim de atingir a máxima eficiência na distribuição dos rebocadores”, completa.

Em poucas palavras, o foco da inteligência artificial nesse caso é eliminar movimentações desnecessárias, fazendo com que elas ocorram no horário adequado, e que os rebocadores possam navegar em velocidade econômica, representando a menor distância possível. Outras facilidades, como o sistema de geolocalização e as condições sonográficas, ajudam a visualizar as rotas.

Como um aplicativo de inteligência artificial para rebocadores otimizou as operações da Wilson Sons?

O desenvolvimento da ferramenta ocorre por meio do laboratório de inovação da Wilson Sons — o TugLab, que funciona com equipe multidisciplinar e conta com a essencial participação das unidades de negócios e filiais, com a COR (Centro de Operações de Rebocadores) e com o CAMWS (Centro de Aperfeiçoamento Marítimos William Salomon).

Na visão de Marcelo, ele exemplifica o pioneirismo no apoio portuário que é inerente à atuação da empresa. “A ferramenta começou a ser utilizada no início de 2020 em 3 praças distintas: Rio de Janeiro, Vitória e Santos. O algoritmo ganha musculatura conforme recebe carga de dados, por isso, nos próximos meses, queremos robustecê-lo e expandir sua abrangência para todos os terminais e portos assistidos por nossa frota de rebocadores”, relata.

Como dito, a Wilson Sons lida com um universo que supera a marca de 60 mil manobras por ano —são muitas operações a gerenciar. “O auxílio que a IA fornece aos nossos operadores de tráfego por meio do aplicativo traz agilidade na tomada de decisões e de posicionamento dos rebocadores”, explica Marcelo.

Dessa forma, alguns dos custos variáveis da operação podem ser evitados, sendo que os compromissos de manobras serão cumpridos e mantidos. Afinal, deslocar ou manter rebocadores em determinada região do porto pode fazer toda a diferença — a tecnologia, que abrange e compila inúmeros fatores, é sempre muito bem-vinda nesse processo.

Quais são as perspectivas da inteligência artificial para os próximos anos?

Segundo os especialistas, será possível visualizar os impactos mais notáveis em atividades repetitivas, que apresentam variáveis ocasionais, como a manobra de um navio que depende da amplitude de maré para ocorrer. A viabilidade da otimização acontecerá por meio de algoritmos que conseguem reunir dados históricos em relação à operação da carga e ao tempo de manobra, assim como especificidades dos recursos mecânicos (navios e rebocadores) e humanos envolvidos. 

“A indústria ainda pode ter ganhos maiores de eficiência operacional com o apoio de ferramentas tecnológicas, que se tornaram bem mais acessíveis em aparelhos celulares ou computadores portáteis, aumentando a segurança das operações de modo contínuo”, pontua Marcelo.

Para Elísio, é importante ter atenção a alguns desafios que continuarão relevantes no futuro. “Trabalhar com uma grande quantidade de dados tende a ser desafiador, porque é preciso cruzar diversos tipos de informações e construir um algoritmo a partir disso. Como tudo é dinâmico e os portos são diferentes entre si, as soluções devem ser adaptáveis e compreender as particularidades de cada lugar”, opina.

Em cenários mais complexos, como o de uma pandemia com impactos sociais e econômicos sem precedentes, a Wilson Sons acredita que equipes administrativas em home office e o front operacional com efetivo reduzido, atuando em escalas especiais, são práticas essenciais para garantir a saúde dos colaboradores. Sendo assim, a inteligência artificial desponta como uma força capaz de mitigar os efeitos do contingenciamento, possibilitando a continuidade das operações com plena eficiência e segurança.

Na prática, a IA pode colaborar com a indústria de navegação viabilizando a utilização de uma vasta gama de ferramentas para que as pessoas realizem suas atividades essenciais e que as equipes de terra e bordo interajam. Com isso, registros obrigatórios, requisitos legais, atividades administrativas e operações financeiras podem ser executadas de modo remoto.

Enfim, um aplicativo de inteligência artificial para rebocadores engloba diversos pontos positivos. Com essas tecnologias em mãos, muitas operações podem ser otimizadas, gerando resultados ainda mais vantajosos para o negócio. Portanto, não deixe de considerar a inclusão de uma ferramenta como essa em sua rotina.

Gostou do conteúdo e quer otimizar suas operações? Entre em contato com a Wilson Sons agora mesmo!

Você também pode gostar

Deixe um comentário