Veja como funciona o outsourcing internacional

outsourcing internacional
6 minutos para ler

O outsourcing internacional é um tema recorrente para quem lida com cargas internacionais no cotidiano. Apesar disso, existem muitas dúvidas sobre o assunto: afinal, como ele funciona? Quais são suas principais características e vantagens?

Para responder essas e outras questões relevantes, entrevistamos Ramires Siqueira Rabelo, que atua como gerente de Supply Chain na Sunew Filmes Fotovoltaicos S.A. — empresa cujo objetivo é revolucionar o modo como geramos e consumimos energia — e possui 18 anos de experiência na área. Aproveite o conteúdo!

No que consiste o outsourcing internacional?

Antes de tornar essa definição precisa, é necessário compreender as diferenças entre o outsourcing e o conceito de terceirização. “Para fazer uma empresa crescer de forma contínua e duradoura”, explica o especialista, “é preciso ter atenção às inovações em termos de tecnologias, processos e metodologias de trabalho — o outsourcing tem sido cada vez mais utilizado pelas organizações para atingir esses objetivos”.

Quando uma empresa carece de serviços, pessoas ou materiais que não estão disponíveis internamente, é possível contratar uma organização para suprir tal demanda. Esse procedimento é chamado de terceirização, visto que se vale da contratação de outra empresa para prestar serviços e prover recursos, para realizar atividades de natureza secundária. Alguns exemplos de terceirização são os serviços de limpeza, de segurança patrimonial, a manutenção de equipamentos, transportes locais etc.

O outsourcing, por sua vez, é específico, pois está diretamente ligado à prestação de serviços inerentes à atividade central do contratante. O foco é voltado à geração de resultados em relação aos principais objetivos da empresa.

Por causa disso, ele tem um viés estratégico, causando impacto na qualidade, na competitividade e nos resultados obtidos. Pode ser exemplificado por sistemas e serviços de TI, gerenciamento financeiro, operações de venda e de compras, operações complexas de supply chain e afins. 

Ainda nesse contexto, é importante mencionar dois conceitos: nearshore e offshore. Os serviços contratados na categoria de nearshore estão localizados em empresas de países próximos, com fuso horário, idioma e culturas similares. Em contrapartida, o mercado offshore está ligado à contratação de serviços provenientes de nações distantes — ele pode ser mais econômico quando vem de países em desenvolvimento, reduzindo custos.

“Por consequência, o outsourcing internacional se associa a essas duas categorias, principalmente em serviços voltados a estratégias de soluções tecnológicas”, aponta Ramires. Entre suas maiores vantagens, vale destacar estes pontos:

  • economia de recursos financeiros;
  • acesso à tecnologia de ponta;
  • integração dos sistemas de gestão;
  • segurança de dados;
  • crescimento econômico internacional.

Como contratar um outsourcing internacional de maneira efetiva?

“Para encontrar bons serviços de outsourcing internacional, o ideal é que o contratante conduza um robusto processo de identificação, avaliação e homologação de seus fornecedores a fim de definir quais deles participarão da concorrência”, recomenda Ramires. Na visão do especialista, esse é um dos principais desafios na hora de contratar empresa de outros países.

Uma vez definida a lista das empresas que serão cotadas para o fornecimento de produtos/serviços, Ramires aconselha a aplicação da metodologia do Strategic Sourcing, que é composta por uma estrutura de boas práticas nesse sentido. Confira cada um dos passos logo abaixo.

1. Organize os parâmetros

A primeira etapa pode ser resumida em organização e planejamento. É nela que são definidos os parâmetros básicos da compra, como a equipe envolvida e o centro de custos responsável pela aquisição.

2. Analise as categorias 

O objetivo desse passo é analisar a categoria de serviços que a sua empresa considera contratar. Nesse momento, o processo operacional é mapeado por completo — são levantadas as especificações técnicas, indicadores, preços e assim por diante. As oportunidades são avaliadas e as primeiras reuniões, realizadas.

3. Avalie o mercado

Depois de analisar as categorias, é fundamental olhar para o mercado fornecedor com pesquisas sobre os players do mercado e o que eles podem oferecer para a demanda em questão. Alguns fatores a serem considerados são:

  • alinhamento entre perfis;
  • estruturas de custos;
  • tecnologias e práticas dos fornecedores;
  • gastos que um serviço ou equipamento pode gerar em médio e longo prazo.

4. Desenvolva uma estratégia de fornecimento

Com os dados obtidos nas outras etapas, o benchmarking é realizado e a matriz estratégica de compras, elaborada. É imprescindível ter atenção para evitar erros e garantir que os analistas de compras façam o melhor uso possível das informações disponíveis.

5. Realize a cotação de produtos ou serviço

Esse é o momento de realizar cotação. Boa parte dos processos desse passo envolve a solicitação de propostas, também chamada de RFP (Request for Proposal — Pedido de Proposta) — ele funciona como um orçamento complexo e abrange vários cenários distintos.

6. Negocie

No sexto passo, o setor de compras começa a negociar. As tentativas de acordo devem ser formalizadas e, ao fim do processo, todos os fornecedores são avaliados e comunicados.

7. Firme acordos

A última parte é o momento de implantar acordos. É a etapa mais burocrática e importante de todo o processo, quando documentos e contratos são gerados e arquivados, simbolizando o término do processo de compras.

Qual é o futuro do outsourcing internacional?

“Nos últimos anos, o outsourcing internacional tem crescido: as taxas de crescimento variam entre 12% e 26% ao ano desde 2014. Uma prova disso é que, o Comitê Técnico da ISO desenvolveu uma norma internacional para esses serviços, a ISO 37500/2014, trazendo a padronização das atividades para contratantes e prestadores”, atesta Ramires. Com a força da globalização, a tendência é que ele aumente exponencialmente ano a ano, mantendo esse desenvolvimento em alta.

“Desde 2015, tem-se notado uma mudança no mercado e as empresas brasileiras vêm se qualificando, investindo em inovação e na capacitação de seus profissionais. Com isso, o Brasil tem deixado de ser um país apenas consumidor de serviços e passou a ser também um mercado prestador/vendedor”, destaca Ramires. No cenário de agenciamento marítimo — shipping agency —, por exemplo, isso é notório, visto que grandes players, como a Wilson Sons Agência, têm chamado a atenção das empresas de fora.

Enfim, o outsourcing internacional pode ser uma importante ferramenta em diferentes setores. Considere realizar as contratações nesse modelo para expandir seu negócio e alcançar as metas almejadas.

Gostou do conteúdo? Aproveite para assinar nossa newsletter agora mesmo e receba informações exclusivas em seu e-mail!

Você também pode gostar

Deixe um comentário