[INFOGRÁFICO] Saiba o que é e quais as vantagens e desvantagens do transporte multimodal

Transporte multimodal
7 minutos para ler

De um ponto A para um ponto B podemos traçar diversas estratégias para fazer chegar uma mercadoria. O transporte multimodal é o que organiza os variados tipos de transportes de acordo com a necessidade da operação. Uma inteligência em logística que pode revolucionar a forma como as mercadorias são entregues no Brasil e no mundo.

Quando a distância é considerável ou o destino está em um ponto de difícil acesso, podem ser necessários mais de um tipo de veículo para o deslocamento da carga desde sua origem.

No transporte multimodal tradicional, poderiam ser combinados meios como navios, aviões, caminhões, trens ou até outros modos de acordo com a necessidade do local (a exemplo do transporte dutoviário).

No entanto, o transporte multimodal não se resume à combinação de formas de transporte. Ele possui uma figura importante que será a responsável pelo planejamento e articulação de todos os meios de transporte num objetivo único de levar a mercadoria em segurança e acerto até o ponto final: este é o OTM, Operador de Transporte Multimodal.

Para Elias Sader, gerente de filial da Allink Transportes Internacionais, a vantagem do Transporte Multimodal é a eficiência na combinação dos variados modos de transporte a redução de custo. A palavra eficiência é o ponto-chave dessa modalidade.

“A eficiência vem da redução do custo, pois as melhores alternativas de um ponto A para um ponto B devem ser analisadas e muitas vezes a multimodalidade é a mais eficiente, como é o caso da indústria moveleira que está fazendo o uso da Cabotagem (pelo sistema Aquaviário) para atingir estados do Norte e Nordeste brasileiro a um custo competitivo, mesmo com as fábricas localizadas no Sul e Sudeste do país”, explica.

Para ele, o Brasil ainda pratica esse sistema de forma discreta. “Se compararmos com continentes que usam a multimodalidade a anos como Europa /EUA, temos muito em infraestrutura para melhorar para que possamos desenvolver a multimodalidade no país de uma maneira eficiente. Exemplo disso é nossa malha ferroviária, que temos há alguns anos investimentos ainda tímidos, mas há espaço sim e demanda para o crescimento deste modal”, comenta.

É mais corrente que no Brasil o transporte se realize apenas entre dois modais (avião e caminhão ou barco e caminhão) e não com múltiplos como pode ser visto mais frequentemente no exterior (trem, caminhão, barco etc.).

Porém, isso não descaracteriza o transporte multimodal, uma vez que com, pelos menos, dois modais de transporte, já poderia estar configurada a modalidade se presente o OTM. Não se confundindo, assim, com a intermodalidade.

Diferença entre transporte multimodal e transporte intermodal

Uma carga que chega nos portos e precise ir até o interior do Brasil deverá, forçosamente, transitar entre, ao menos, dois modais diferentes. Isso pode levar à escolha entre o transporte intermodal ou multimodal.

A intermodalidade se diferencia da multimodalidade por haver uma divisão da responsabilidade pelo transporte entre os transportadores de cada modal.

“A diferença está na emissão dos documentos de transporte, sendo que na Intermodalidade a emissão do documento de transporte acontece para cada uma delas e na Multimodalidade há somente a emissão de um único documento por um OTM (Operador de transporte Multimodal) para várias modalidades”, aponta Elias.

Quando optar pelo transporte multimodal

O transporte multimodal pode representar uma série de benefícios na otimização do envio de mercadorias. Mas é preciso saber o momento de recorrer a ele.

Como já mencionado em outro texto, o Brasil possui, entre exportadores e importadores, mais de 50 mil empresas, se considerados os grupos econômicos. Grande parte desses faz o transporte de suas cargas pelo modal marítimo, por ser seguro e mais barato que outros meios, como o aéreo.

Numa situação de transporte em curtas distâncias, ou em regiões de facílimo acesso, não se apresenta a necessidade da multimodalidade.

Apesar de muito eficiente, o multimodal só é rentável quando os custos com a utilização das interfaces modais chegam a um nível competitivo. Ou seja, quando se trata de operação maior ou mais complexa.

“A primeira análise para optar pelo uso da Multimodalidade no Brasil é a análise geográfica da demandas pelo transporte e se temos acesso à multimodalidade . Levando-se em conta que possuímos o acesso, a primeira decisão é a de redução de custo e, consequentemente, o aumento da competitividade do produto”, expõe Elias.

Se observado um quadro vantajoso de tempo, custo e distâncias a se serem percorridas, esta pode ser a hora de embarcar no transporte multimodal!

Os benefícios do transporte multimodal

Para quem investe no transporte multimodal, os benefícios podem ser percebidos muito além do cumprimento de prazo ou da redução de custos.

Facilidade e segurança

O transporte multimodal apresenta um benefício que pode facilitar todo o processo, que é o responsável único, o Operador de Transporte Multimodal (OTM).

Todo o serviço de combinação dos transportes, busca de rotas, entendimento quanto à transferência da mercadoria de um modal para o outro fica por conta e responsabilidade da figura do OTM, o que facilita o trato e análise de todo o transporte.

O exportador não precisa se preocupar com questões micro onde o OTM se investe, e passa a ter uma visão geral sobre as principais questões.

O transporte multimodal no mundo conta com a viabilização de um único documento de transporte nas operações. No Brasil, esse processo caminha para sua unidade, mas ainda são necessários alguns outros documentos que não prejudiquem o contrato do exportador, uma vez que o OTM se responsabiliza pelo quadro burocrático.

O OTM é uma pessoa jurídica, que pode ou não ser também transportador. Sua atividade depende de habilitação de registro da Agência Nacional de Transportes Terrestres, a ANTT. A habilitação internacional do OTM também exige o licenciamento na Secretaria da Receita Federal e tem validade de dez anos.

Prazo e preço

O transporte multimodal une o que há de mais eficiente nos múltiplos modos de transporte.

Ele consegue reduzir custos ao otimizar os prazos de inventário, tornando assim, os preços das mercadorias mais competitivos.

A segurança no pagamento também atrai os profissionais das rotas, o que gera uma cadeia de benefícios financeiros para todos.

Inteligência logística

A combinação dos modais, de forma inteligente, leva ao menor gasto com transporte, espera e, consequentemente, combustível. Isso além de poupar para mercado, resulta ainda num singelo serviço para a sustentabilidade ambiental.

Quanto mais inteligência logística, menor o impacto da chamada pegada ecológica do transporte.

Crescimento no Brasil

Nos próximos anos, o conceito da multimodalidade no transporte ficará ainda mais latente. O crescimento da multimodalidade na América Latina está em torno de 10% (de acordo com o IPEA), no Brasil e a cada ano que passa, o conceito se expande mais entre os intervenientes do transporte de carga.

Ainda, considerando os receios criados durante a greve dos caminhoneiros em maio de 2018, o transporte Multimodal passou a ser observado com mais interesse por descaracterizar uma dependência completa de um único meio de transporte.

A percepção de que esta forma de transporte de cargas oferece diversos benefícios faz com que o mercado volte seus olhos para outros meios de transportes e cria uma atmosfera propícia para a mudança de um mindset sobre o trânsito das cargas.

Agora que você já entende mais sobre o transporte multimodal, veja o glossário que elaboramos sobre o afretamento marítimo.

Você também pode gostar

Deixe um comentário